Quadros


A palavra "quadro" vem do latim quadratum, que significa uma figura "quadrada", aquela dotada por ângulos retos que também perfazem um retângulo. O quadro enquanto moldura foi utilizada precocemente na pintura como um acessório da tela pintada.

Desde suas origens, a fotografia praticou o enquadramento com a intenção de imitar a pintura. Limitada por um quadro, tanto a imagem fotográfica quanto a fílmica foram concebidas como enquadradas: na fotografia, como moldura; nos filmes, como frames.

No que diz respeito aos formatos, a horizontalidade é a regra no cinema. O formato se define por dois parâmetros: a largura da película (de 8 a 70 mm) e a relação entre as duas dimensões (altura e largura) do quadro. Tal proporção de tela – que em inglês é conhecida por aspect ratio – variou de 1,33 a 2,5 (razão obtida pela divisão entre as medidas da largura e da altura). O formato na razão próxima a 1,60 é o preferido pela maioria dos espectadores, por fornecer as condições mais próximas da visão natural. A indústria cinematográfica utiliza como proporção padrão 1,66 desde a década de 1960 e a televisão usava o formato 4:3, quando surgiu na década de 1930, e a partir dos anos 2000 adotou a proporção 16:9.

Bem poucos cineastas tentaram trabalhar formatos, propondo um quadro variável que passasse do horizontal ao vertical ou ao quadrado. Mais frequentes foram as tentativas de transformar as proporções das imagens ocultando uma de suas partes, como, por exemplo, as máscaras íris e o split screen, que é uma técnica de justapor várias imagens em único quadro.

Janela Indiscreta (EUA, 1954), dirigido por Alfred Hitchcock

Janela Indiscreta (EUA, 1954), dirigido por Alfred Hitchcock

Janela Indiscreta (EUA, 1954), dirigido por Alfred Hitchcock

Dirigido por Alfred Hitchcock, Janela Indiscreta (1954), conta a história de Jeff (James Stewart), um fotógrafo profissional, que fica confinado em uma cadeira de rodas no seu apartamento após fraturar a perna em um acidente. A janela dos fundos dá para um pátio e vista para vários outros condôminos. Durante a sua recuperação, Jeff assiste seus vizinhos, quem mantêm suas janelas abertas. Nesta cena aqui, que você pode assistir no nosso Twitter, Hitchcock trabalha o formato através de máscaras íris, que se alternam conforme o dispositivo que Jeff usa: binóculo, máscara expandida e menor profundidade de campo; lente teleobjetiva, máscara contraída e maior profundidade de campo.

Limite (BRA, 1931), dirigido por Mário Peixoto

Limite (BRA, 1931), dirigido por Mário Peixoto

Limite (BRA, 1931), dirigido por Mário Peixoto

Limite (1931) é o único longa-metragem dirigido pelo brasileiro Mário Peixoto, quando tinha apenas 22 anos. É comumente listado entre os filmes mais importantes da história do cinema, pois foi concebido numa época de transição do cinema mudo para o sonoro. A cópia original em 35mm foi restaurada pela Cinemateca Brasileira reenquadrando a imagem e ressicronizando a trilha musical. Para ilustrar o resultado dessa restauração, veja aqui a sequência quando a protagonista observa o mar abaixo e a câmera gira no seu eixo vertical.

Dor e Glória (ESP, 2019), escrito e dirigido por Pedro Almodóvar

Dor e Glória (ESP, 2019), escrito e dirigido por Pedro Almodóvar

Dor e Glória (ESP, 2019), escrito e dirigido por Pedro Almodóvar

Dor e Glória (2019), escrito e dirigido por Pedro Almodóvar, foi indicado a duas estatuetas do Oscar 2020: melhor filme internacional e melhor ator (Antonio Banderas). O veterano cineasta Salvador Mallo (Banderas) atravessa crise de solidão e inspiração. Ele passa a refletir sobre as escolhas que fez na vida com o propósito de reavaliar seus relacionamentos. Um deles é com o ator Alberto Crespo (Asier Etxeandia), que estrelou um de seus filmes. Nesta cena aqui, o reencontro com Crespo acontece no apartamento de Salvador, onde ele garimpa roteiros no computador, quando um dos textos desperta o interesse dele. Almodóvar trabalha a imaginação de Alberto com sucessivas janelas de projeção.

Limite (BRA, 1931), dirigido por Mário Peixoto

La jetée (FRA, 1962), dirigido por Chris Marker

La jetée (FRA, 1962), dirigido por Chris Marker

O curta-metragem francês de ficção científica La jetée (1962), com roteiro e direção de Chris Marker, é considerado um dos marcos da Nouvelle Vague. Narra a história de um homem que, por ter uma forte memória do passado, é usado como cobaia pelos cientistas para realização de experimentos de viagem no tempo, a fim de encontrar meios de sobreviver a um cenário de pós-guerra nuclear. O curta apresenta um formato de janela incomum, através de fotografias estáticas e um único take de uma mulher piscando os olhos. Mesmo diante de um formato estático, Marker consegue criar uma forte sensação de movimento através das imagens. Assista ao filme aqui.


4 Filmes com Formatos Incomuns

1. Limite, Mário Peixoto (BRA, 1931)

2. Janela Indiscreta, Alfred Hitchcock (EUA, 1954)

3. La jetée, Chris Marker (FRA, 1962)

4. Dor e Glória, Pedro Almodóvar (ESP, 2019)

4 visualizações