Zero e Uns


Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

A transição dos anos 2010 e 2020 tem sido um período profícuo para o diretor americano independente Abel Ferrara. De 2019 para cá, ele realizou dois documentários e três longas de ficção sendo Zero e Uns (EUA, 2021) o último deles.

Premiado como melhor direção no Festival de Locarno, Suíça, em 2021, Ferrara cria nesta obra a paranóia, uma espécie de emboscada apocalíptica que persegue JJ, papel de Ethan Hawke, um soldado americano em missão secreta na Itália, que percorre um um mundo fechado de medos e incertezas, esquizofrenia e um final esperançoso.

O roteiro caminha sem rumo, apresentando um homem em isolamento emocional, algumas citações transcendentais e cenas de explosão que, a priori, são toscas, mas que coadunam com a estética do longa de quarentena pandêmica de Ferrara.

É um filme que pode levar sua paciência ao limite, mas em Ferrara há sempre algo lá, alguma genialidade inquieta e amordaçada, uma preocupação em combater algo. É um diretor confuso, incoerente, mas também estranhamente preocupado em entender a dor e a ansiedade de nossas vidas, como foi o caso de Vício Frenético (EUA, 1993), seu longa de maior sucesso de público e crítica.

Abaixo nós escolhemos quatro cenas de Zero e Uns para exemplificar a gramática audiovisual do filme. De nosso abecedário, nós citaremos autoria, off, trucagem e underground. As cenas estão disponíveis no nosso Twitter. Acompanhe-nos por lá.

Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

Neste prólogo de 1'23'' de duração, Ethan Hawke, ele mesmo, dá um depoimento de abertura em que diz admirar a filmografia de Ferrara e que interpretará dois papéis na presente obra. É uma apresentação "estranha", ambígua e semi-ficcional, típicas de filmes underground. Ao final do final, Hawke surge novamente, no mesmo tom, para na verdade admitir que o argumento inicial era para uma financiamento coletivo.

Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

Nesta sequência de 2'02" a autoria do diretor é expressa: o início com off enquanto vemos a imagem de Jesus Cristo, a câmera seguindo o personagem JJ (Hawke) numa igreja enquanto tem uma conversa enigmática com uma senhora e a luz natural, ou seja, a fotografia predominantemente escura.

Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

Nesta sequência de 1'36'' o soldado JJ está com uma câmera na mão. Ele enquadra uma mulher correndo, enquanto vemos a imagem desta câmera granulada e azulada, típico recurso de trucagem. Ele é surpreendido por uma mulher armada que surge atrás dele ordenando para que baixe as armas. Detalhe que a primeira reação de JJ é colocar no chão a máquina fotográfica que ele carrega, antes de se desarmar. Corta novamente para a imagem da câmera, a partir do chão, onde vemos a mesma trucagem a partir de outro ângulo.

Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

Nesta sequência de 1'25'' JJ opera um drone, cujas imagens aéreas mostram uma paisagem experimental, sombria e granulada. Ouvimos um off que profere a seguinte sentença: "O mundo é o abrigo de Deus. Sabe quem disse isso? Jesus. Para entender o que está além de você, é preciso usar o que está dentro de si.".

Zero e Uns (EUA, 2021), dirigido por Abel Ferrara

Zero e Uns (EUA, 2021)

1h25min

roteiro e direção Abel Ferrara