Diego Maradona


Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia, é um documentário que explora a passagem do ídolo argentino pelo Napoli, entre 1984 e 1991, e a aproximação dele com a máfia italiana, Camorra.


Durante as Olímpiadas de Londres em 2012, o produtor Paul Martin entrou em contato com Kapadia depois de descobrir imagens de arquivo de Maradona. Primeiro, Martin encontrou uma pessoa em Nápoles, na Itália, que possuía material privado. Eram longas horas filmadas de Maradona em 1981 por intermédio de Jorge Cyterszpiler, primeiro agente do ex-craque argentino, que teve a ideia de documentar a vida dele juntamente com outros dois cinegrafistas da Argentina. Em Buenos Aires, Martin conseguiu mais imagens de arquivo na casa da ex-mulher de Maradona, Claudia Villafañe, em um baú intocado por 30 anos.

O conceito do documentário surgiu após o diretor lançar Amy (UK, 2015), sobre a cantora Amy Winehouse e premiado com o Oscar de Melhor Documentário de Longa-Metragem em 2016. Devido à dificuldade de encontrar uma história de Maradona com começo e fim, Kapadia optou pela vida do ídolo argentino em Nápoles como eixo central do filme replicando a forma adotada em Amy: um vasto material de arquivo, editado com depoimentos (apenas em voz) e cenas das partidas de futebol, treinos e bastidores.

O filme não agradou Maradona, que ficou incomodado com o subtítulo "Rebelde, Herói, Vigarista e Deus". Ele viria a falecer um ano depois, em 25 de novembro de 2020.

A trilha sonora, composta originalmente por Antonio Pinto, está disponível no Spotify e contém 28 músicas.

Abaixo nós escolhemos quatro cenas de Diego Maradona para exemplificar a gramática audiovisual do filme. De nosso abecedário, nós citaremos inserções e off. As cenas estão disponíveis no nosso Twitter. Acompanhe-nos por lá.

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

Logo no início, o filme mostra a primeira coletiva de imprensa de Maradona no Napoli, em julho de 1984. Nesta cena, de 1'48'', vemos o momento quando um jornalista é expulso após questionar o então presidente do clube, Corrado Ferlaino, a possibilidade da máfia italiana Camorra ter viabilizado financeiramente a contratação do jogador.

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

Nesta sequência de 1'23''' diversas imagens de arquivo são utilizadas para ilustrar a relação de Maradona com o assédio do público e da imprensa. O recurso de off é empregado duas vezes: a primeira voz do próprio Maradona e a segunda, de Fernando Signorini, personal trainer do ex-craque argentino. Em ambos os casos o off é classificado como não diegético.

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

Nesta sequência de 1'02'' as inserções de fotos still e off de Gennaro Montuori, da torcida organizada do Napoli, e de Maradona são utilizados para narrar o início do vício nas drogas do ex-craque argentino.

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

O início e a queda de popularidade de Maradona após a Copa da Itália, em 1990, são abordados nesta sequência de 2'20'' de duração com off de Claudia Villafañe, esposa do ídolo argentino. Após a queda dos donos da casa ante a seleção argentina, Maradona tornou-se a pessoa mais odiada da Itália. Perdendo a final da Copa para a Alemanha, Maradona regressou ao Napoli, foi acusado e preso por tráfico de drogas, por sua associação à máfia Camorra. O vício do astro é exposto aqui.

Diego Maradona (UK, 2019), dirigido por Asif Kapadia

Diego Maradona (UK, 2019)

2h10min

direção Asif Kapadia